sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Dilma e PT vetam perguntas de jornalistas em debate no SBT

O Partido Totalitário e sua candidata rejeitaram perguntas de jornalistas no debate organizado pelo SBT, UOL e Jovem Pan. Por causa disso, a Folha desistiu do evento:


A Folha decidiu sair da organização do debate presidencial que estava preparando em conjunto com o SBT, UOL e rádio Jovem Pan. A decisão foi tomada após a campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) anunciar que não aceitaria a presença de jornalistas fazendo perguntas aos candidatos.

"Os debates são muito engessados por imposição da Lei Eleitoral e dos próprios candidatos. As regras impostas já vetam o direito à réplica para jornalistas. Agora, querem dar um passo atrás e proibir também as perguntas dos jornalistas. Nesse caso, para a Folha, fica sem sentido organizar um evento sobre o qual não terá nenhuma influência para representar os direitos e interesses de seus leitores", diz o editor-executivo do jornal, Sérgio Dávila.

A campanha presidencial de Aécio Neves (PSDB) também não queria inicialmente a participação de jornalistas fazendo perguntas. Essa posição foi apresentada em reunião na tarde da última terça-feira (7). No dia seguinte, o tucano recuou e afirmou que aceitaria um bloco no qual os candidatos responderiam perguntas de jornalistas escolhidos por Folha, UOL, SBT e Jovem Pan.

A mudança de posição de Aécio foi informada ao comando da candidatura de Dilma, que se propôs a novamente analisar o assunto. Nesta sexta-feira (10), entretanto, a campanha petista informou que não desejaria mesmo as perguntas de jornalistas. O presidente nacional do PT, Rui Falcão, explicou a posição do partido: "O debate no segundo turno deve ser entre os candidatos, um contra o outro; se for para fazer perguntas de jornalistas, é melhor fazer uma entrevista, como a presidente tem feito".

O debate no SBT será realizado no dia 16 de outubro, uma quinta-feira, às 18h, um horário diferente dos encontros promovidos pelas outras emissoras, que são sempre mais tarde, no final da noite.

O portal UOL, empresa do Grupo Folha, continua participando do evento e deve fazer a transmissão ao vivo, pela internet. A Jovem Pan também vai transmitir o som do debate no dia 16.

O formato do encontro será tradicional, sem espaço para surpresas. Cada candidato terá tempo fixo para fazer perguntas, réplicas e tréplicas. O moderador será o jornalista Carlos Nascimento, do SBT, a quem caberá apenas o controle dos tempos de Dilma e de Aécio, sem autorização para emitir juízos de valor a respeito do conteúdo do encontro.

Desde o início deste ano, quando começaram as negociações sobre os debates presidenciais, a Folha e o UOL propuseram aos candidatos que o encontro seguisse o modelo usado na França, com um "banco de minutos". Cada participante começaria com 30 minutos e poderia fazer as perguntas e respostas gastando esse tempo como quisesse. Esse formato eliminaria as recorrentes intervenções do moderador, interrompendo os candidatos para dizer que "o tempo acabou".

Dilma e Aécio não aceitaram a mudança para o banco de minutos. As duas campanhas argumentaram que os candidatos já estão acostumados e treinados a participar com os tempos fixos e poderiam se confundir com o novo modelo.

Além do debate no SBT, há outros três encontros entre os presidenciáveis previstos. O primeiro será no dia 14, na Bandeirantes. Depois, no dia 19, na Record. O último será na Globo, dia 24. Em nenhum deles será permitida a participação de jornalistas fazendo perguntas. No evento promovido pela TV Globo, as campanhas de Dilma e de Aécio aceitaram que um dos blocos seja com perguntas de eleitores indecisos selecionados pela emissora. (Folha Poder).

Nenhum comentário: